sábado, 11 de agosto de 2012

DROPS DA MARCIA: AUGUSTO FREDERICO SCHMIDT



Augusto Frederico Schmidt nasceu no Flamengo, no Rio de Janeiro em 1906, lá falecendo em 1965.
Ainda menino, muda-se com a família para Lausanne, na Suiça, retornando ao Brasil quando do falecimento do pai, em 1916.
Poeta da segunda geração do Modernismo, seus principais livros são: O Galo Branco, Estrela Solitária e Prelúdio à Revolução.
Como todos os homens muito inteligentes, Schmidt tinha múltiplos interesses. Foi presidente do Clube de Regatas Botafogo que, por sua sugestão, se fundiu ao homônimo clube de futebol, resultando no Botafogo de Futebol e Regatas.
Fundou sua própria companhia, a Schmidt Editora, que presidiu durante nove anos, revelando o gênio de Graciliano Ramos, do qual ele lera relatórios, quando este era ainda prefeito de Palmeira dos Índios. Instou o amigo a escrever, publicando posteriormente Caetés (1933). Além disso, editou Gilberto Freyre, Rachel de Queiroz, Lucio Cardoso, Marques Rebelo, Vinicius de Moraes, Guimarães Rosa, Jorge Amado, entre outros.
Empreendedor, Schmidt foi um dos fundadores do primeiro supermercado brasileiro, o Disco.
Foi também sócio majoritário da ORQUIMA, precursora da energia nuclear no Brasil, em 1975 incorporada pela Nuclebrás.
Amigo pessoal de Juscelino, durante anos foi seu ghost-writer, escrevendo inúmeros discursos do presidente e é dele o famoso slogan: 50 anos em 5, que caracterizou a era Kubitschek.
Uma de suas ideias à época foi a criação da Operação Pan-Americana, primeiro grande plano de ajuda aos países da América Latina, que inspiraria a Aliança para o Progresso, do governo Kennedy e, posteriormente a criação do BIRD.
Ao morrer, vítima de um ataque cardíaco, já havia publicado mais de trinta livros, entre prosa e poesia, além de milhares de artigos espalhados em diversos jornais e revistas da época.
Vale a pena ler Augusto Frederico Schmidt.
by.marcianeves@gmail.com


Agora, três belos poemas de Augusto Frederico Schmidt:


Lembrança 

Todos os que estão neste cinema agora,
Neste cinema alegre,
Um dia hão de morrer também:
Nos cabides as roupas dos mortos penderão tristemente. 

Os olhos de todos os que assistem as fitas agora,
Se fecharão um dia trágica e dolorosamente.
E todos os homens medíocres se elevarão no mistério doloroso da morte.
Todos um dia partirão — mesmo os que têm mais apego às coisas do mundo:
Os abastados e risonhos
Os estáveis na vida
Os namorados felizes
As crianças que procuram compreender —
Todos hão de derramar a última lágrima.

No entanto parece que os freqüentadores deste cinema
Estão perfeitamente deslembrados de que terão de morrer
— Porque em toda a sala escura há um grande ritmo de esquecimento e equilíbrio.


Soneto a Camões

As tuas mágoas de amor, teus sentimentos
Diante das leis que regem nossas vidas,
Desses fados que dão e logo tiram,
E a que estamos escravos e sujeitos.

As tuas dores de amar sem ser amado,
De procurar um bem que não se alcança,
E no canto clamar desesperado
Pelo que nunca vem quando se busca 

Poeta de enamoradas impossíveis
E que num negro amor desalteraste
Essa sede de amar dura e terrível,

As tuas mágoas de amor, tuas fundas queixas,
Como uma fonte ficarão chorando
Dentro da língua que tornaste eterna



Vazio

A poesia fugiu do mundo.
O amor fugiu do mundo —
Restam somente as casas,
Os bondes, os automóveis, as pessoas,
Os fios telegráficos estendidos,
No céu os anúncios luminosos.

A poesia fugiu do mundo.
O amor fugiu do mundo —
Restam somente os homens,
Pequeninos, apressados, egoístas e inúteis.
Resta a vida que é preciso viver.
Resta a volúpia que é preciso matar.
Resta a necessidade de poesia, que é preciso contentar

sábado, 4 de agosto de 2012

PALESTRA SOBRE FOTO KIRLIAN (BIOELETROGRAFIA)


O que é BIOELETROGRAFIA ?  
O que é a FOTO KIRLIAN ?
Será que ela revela a AURA HUMANA?


Palestra com a terapeuta Claudia Damasceno sobre a história da BIOELETROGRAFIA, ex FOTO KIRLIAN e sua prática terapêutica.

Claudia mostrará também o funcionamento do espectrofotômetro. Esse aparelho faz a análise química dos gases, vapores e outros fluídos exalados pelo corpo, resultantes do metabolismo celular emanados pelas
células  através da pele.  Após um processo de ionização, esses gases se transformam em cores, com estruturas geométricas, as quais podem ser vistas fotograficamente.

Segundo os estudiosos, a bioeletrografia é um processo terapêutico que permite avaliar a psicobiodinêmica (energia vital e fluxo de energia) de uma pessoa.

Muitos dizem que ela revela a aura de uma pessoa. Afinal, o que se vê nas fotos é ou não a aura?


Dia 15 de Agosto, Quarta-feira | 19h00 às 21h00

ENTRADA FRANCA

INSCRIÇÃO
021-2286.2694, 21-8461.0454



Rua Estella 22 - Horto.
A Rua  Estela está localizada na altura do número 868 da Pacheco Leão., logo acima do restaurante Couve Flor.
De ônibus:  linhas 409, 125.

Facilidade de estacionamento